Mercado

Negro de fumo: tipos especiais avançam com a sofisticação das aplicações

Seu papel é importante como carga reforçante para borrachas. Sem ele, os pneus durariam muito menos e teriam baixa adesão ao pavimento.

 

Além de gerar a cor preta e o acerto de tonalidade das demais, com uso destacado nos setores de tintas e de plásticos, o negro de fumo também exerce papel importante como carga reforçante para borrachas. Sem ele, os pneus durariam muito menos e teriam baixa adesão ao pavimento, tornando a condução de veículos insegura.

A demanda por negros de fumo no setor de borracha supera em muito os demais usos do material. “Os fabricantes de produtos de borracha buscam atuar nos produtos de maior valor, como os pneus de alto desempenho, que requerem negros de fumo com características especiais”, explicou Flavio Ricardo Rodrigues, vice-presidente de vendas e logística para a América do Sul da Birla Carbon – empresa do grupo indiano Aditya Birla.

Rodrigues apontou a necessidade de um pneu satisfazer algumas exigências complexas: reduzir a resistência ao rolamento e, com isso, permitir que os veículos gastem menos combustível por quilômetro percorrido, além de garantir simultaneamente a segurança dos seus ocupantes em pista molhada, proporcionando frenagens em espaço mais curto.

A combinação de negros de fumo adequados nas misturas de borracha usadas nas diferentes partes do pneu consegue alcançar os objetivos desejados.

Cada parte do pneu apresenta diferentes necessidades, desde suportar o aumento da temperatura, ou a fricção, ou ainda melhorar a adesão do material, ou a sua flexão.

“Um pneu contém, em média, de 30% a 35% de seu peso em negro de fumo, e cada um carrega não menos que cinco tipos diferentes desta carga”, salientou Rodrigues, evidenciando a complexidade envolvida. A mistura de tipos diferentes de negros de fumo também gera sinergias que resultam em melhores propriedades do produto final.

Ele comentou que a indústria, nessa perspectiva, solicita o desenvolvimento de novos produtos, mas quer introduzi-los sem afetar seu processo produtivo. “Isso é um desafio para nós, porque geralmente os negros de fumo que melhoram as propriedades desejadas também exigem mais esforços para serem incorporados de maneira completa e uniforme à massa.”

Rodrigues explica que a formulação final da borracha é um segredo industrial de cada cliente. Dessa forma, o desenvolvimento de novos tipos de negro de fumo depende de intensa troca de informações.

 

Leia também: SP responde por 60% da produção brasileira de borracha natural

Leia também: Livro discorre sobre a relação da seringueira com a Amazônia

 

Fonte: Primeira Página com informações do site Plástico.

Redes Sociais