Mercado

Documentário lança outro olhar sobre Ciclo da Borracha no início do século 20

Documentário lança outro olhar sobre Ciclo da Borracha no início do século 20

Cineasta Aurélio Michiles conta a história na visão de Roger Casement, cônsul britânico que recebeu a missão de investigar o tratamento dado às tribos indígenas.

 

“Toda a minha biografia é marcada pela temática amazônica. Eu nasci em Manaus e faço parte dessa história” disse o cineasta amazonense Aurélio Michiles, em entrevista ao Portal Em Tempo. Com quase 40 anos de carreira, o cineasta finalizou as gravações de um novo projeto.

O documentário, intitulado “Em nome desta terra”, está previsto para ser lançado até março de 2020 e pretende apresentar um outro olhar a respeito do Ciclo da Borracha aos amantes da Sétima Arte.

O projeto contará a trajetória de Roger Casement, um cônsul britânico, de origem irlandesa, que recebeu como missão da coroa inglesa a obrigação de investigar o tratamento dado às tribos indígenas pelos seringalistas na tríplice fronteira entre Brasil, Peru e Colômbia, especificamente no rio Putumayo.

A história se passa em 1910, época em que a principal atividade econômica na Amazônia era a extração de látex para a produção de borracha.

O cineasta contou ao Portal Em Tempo que teve acesso à biografia de Roger Casement na década de 90, quando um historiador britânico o procurou após assistir algumas produções cinematográficas dele.

"No diário de Casement são mostrados os bastidores, a elite e a vida dos trabalhadores da coleta do látex. Especificamente sobre as populações indígenas afetadas por essa atividade econômica. Eram eles os Boras, Uaitotos, Muiananes e Ocainas. Além de outros que foram extintos”, explica o cineasta

A principal fonte de informação para a realização de “Em nome desta terra”, é justamente o Diário da Amazônia, obra onde Roger Casement detalhou os bastidores da viagem do Rio de Janeiro à bacia do rio Putumayo, em La Chorrera, na Colômbia.

 

Leia também: Qual a diferença entre a borracha natural e a sintética?

Leia também: Associações indígenas e de seringueiros de MT são beneficiados para implantação de projetos

 

Fonte: Primeira Página, com informações do site Em Tempo.

Redes Sociais